A vida por um braço. O filme “127 Horas” mostra que uma difícil decisão pode mudar sua vida.

Man climbs CN Tower steps in wheelchair

Escrito por Ricardo Shimosakai

6 de janeiro de 2021

Em algum momento da vida, uma pessoa cometerá um equívoco gigantesco e terá um bom tempo para pensar sobre o que fez. Uma vez, um homem viajou até as cataratas do Niágara e selado dentro de uma grande bola de borracha, se jogou numa das quedas d’água do local. A bola nunca chegou lá embaixo, ficando presa nas rochas e galhos ao longo do caminho.

Acontece que o homem estava contando com sua equipe para libertá-lo da bola vedada lá embaixo. Ooooops! Grande erro. Aron Ralston, o herói deste 127 Horas (127 Hours, EUA/UK/FRA, 2010), também viveu um destes momentos “ooops!”. Essa é inclusive a maneira que o próprio Aron refere-se ao que se passou com ele. Num final de semana, Ralston partiu para o deserto para fazer trilha com sua bike sem dizer a ninguém para onde ele estava indo, e após cair numa profunda e estreita fenda, ficou com seu braço preso entre uma rocha e a parede do canyon. Ooops.

O caso ficou famoso. Ralston cambaleou para a segurança mais de cinco dias depois, após cortar o próprio braço direito com um canivete gasto para escapar da enrascada em que se meteu. Aron é uma pessoa energética e resiliente, e que inclusive voltou a fazer escalada meses depois. Apesar de que, agora, tenho certeza que ele só embarca numa destas jornadas depois de desenhar um plano, ir com alguma companhia, e nunca deixando seu canivete suíço para trás.

Imagino que quando Aron lembra de seu braço que se foi, ele se sinta bem, dadas as circunstâncias que o levaram a tomar sua radical e corajosa decisão. Ralston se enfiou numa situação onde tudo o que o que se colocava entre ele e sua sobrevivência era seu braço. E então, ele o eliminou da equação.

E você? O que teria feito na mesma situação? Quanto a mim, confesso que não sei se teria conseguido fazer o mesmo. A cena em que Ralston decide eliminar seu braço da jogada é crua e terrível, e mesmo com tamanha provação, o grande diretor Danny Boyle (do excelente Steve Jobs, cuja crítica também está disponível aqui no Portal Administradores), constrói um filme incrivelmente inspirador e divertido. Sim, eu disse mesmo divertido.

Na maior parte do filme, Boyle lida apenas com uma locação e um ator, James Franco, que acabou indicado ao Oscar pelo papel. Há um desapegado prólogo em que Ralston e duas garotas que também faziam trilha nadam em um lago sob uma caverna, e mais tarde, durante seus momentos de alucinação, outras pessoas aparecem para visitá-lo. Entretanto, a realidade fundamental é expressa no título do livro que Ralston escreveu sobre sua experiência: “Between a Rock and a Hard Place” (Entre uma Rocha e um Lugar Duro).

Franco faz mais um excelente trabalho ao sugerir dois aspectos do caráter de Ralston. (1) Ele é um petulante e ousado aventureiro que confia em suas habilidades e que gosta de se arriscar, e (2) ele é lógico e prático o suficiente para cortar fora seu próprio braço para salvar sua vida. Um aspecto de sua personalidade causou o seu problema. O outro o tirou dele. Reconhece estas características em alguém? Talvez em você mesmo? Definitivamente não há nada de errado em ser ousado e até um pouco confiante demais em suas habilidades, desde que você tenha controle suficiente para reconhecer seus próprios limites.

No mundo dos negócios então, saber conduzir esta auto-análise é fundamental na hora de se correr riscos desnecessários ou não. E quando este termômetro falha, é hora de reconhecer o tamanho do problema e virar o jogo. Mesmo sendo uma história muito real, a situação enfrentada por Ralston ganha uma característica análoga à nossa vida, pessoal ou profissional. Imaginem o canyon como a situação de perigo, e a rocha como o problema aparentemente inexorável que impede que o indivíduo prossiga e siga em frente em qualquer direção.

Para muitos, o problema enfrentado pelo protagonista era uma barreira intransponível, seu fim. Entretanto, mesmo na mais improvável das hipóteses, Aron encontrou sua salvação. Todo, TODO e qualquer problema tem solução, mesmo quando as probabilidades dizem o contrário. Aron parecia ter encontrado seu ponto-limite, mas ainda assim foi capaz de virar a mesa e viver para ver um novo dia.

É claro que existe uma análise posterior a ser feita, e com certeza Aron a faz todo santo dia, quando nota e convive com a prótese em seu braço direito. Um cuidado, uma comunicação a mais, um pouco mais de moderação e até humildade o teriam poupado de uma excruciante situação que transformou sua vida para sempre. Esta análise em cima de um erro cometido é vital não só como medida corretiva, mas principalmente como uma ação preventiva para que determinado equívoco não volte a acontecer. No mundo dos negócios, errar uma vez é aceitável. Cometer o mesmo erro novamente pode ser fatal.

A questão é que mesmo no erro em si, há sempre uma lição a ser aprendida. No caso do próprio Aron, há aspectos pelos quais ele deve ser agradecido. A rocha que prendeu seu braço, por exemplo, poderia ter caído sobre ele, o esmagando instantaneamente de forma que não haveria escapatória. O maior erro de Aron não foi a queda em si, mas sim sua certeza equivocada de que estamos melhores sozinhos. Ao não comunicar ninguém de sua partida e/ou localização, Ralston aí sim trocou os pés pelas mãos de maneira até ingênua, se pensarmos mais à respeito.

Apesar de tudo isso, a grande lição a ser tirada deste 127 Horas e do martírio de Ralston, é a maneira extremamente inteligente e corajosa com que o protagonista passa os cinco dias na fenda e posteriormente a maneira com que orquestra sua libertação. Aron literalmente transformou a maior besteira que fez em toda sua vida em uma inacreditável e inspiradora história de superação e sobrevivência.

Primeiro ele procura estar em contato com as circunstâncias ao redor, como o tempo de sol que ele tem diariamente dentro da fenda, e até o vôo regular de uma águia pela manhã. Ele então realiza um inventário dos itens que está carregando: uma câmera, um pouco d’água, algum alimento, e seu inadequado canivete-suíço. E aos poucos, à medida em que o tempo foi passando e as opções diminuindo, foi a mente prática e extremamente focada de Ralston quem bateu o martelo: Ou ele fazia alguma coisa, ou morreria.”

Independente das inúmeras questões das quais podemos tirar diversas lições a serem aplicadas em nosso dia-a-dia profissional ou não, 127 Horas é um tremendo filme.

Um verdadeiro exercício de tensão onde o impossível é capturado através das câmeras. A fotografia é primorosa em estabelecer a vastidão do deserto de Utah e os detalhes específicos da minúscula porção do território onde Aron foi parar.

A edição alcança a delicada tarefa de mostrar um braço sendo cortado fora sem nunca ser excessivamente gráfico. Curiosamente, o momento mais agoniante da cena não consiste em uma imagem, mas sim em um som. A maioria de nós nunca deve ter ouvido o referido som, mas graças à cena sabemos exatamente o que é.

Dor e derramamento de sangue são comuns nos filmes. Entretanto, raramente tais fatores chegam ao nível da realidade, afinal, o público quer ser entretido, e não traumatizado. O espectador quer que seus heróis sejam imunes, e 127 Horas remove os filtros que costumeiramente amenizam a experiência. O filme implica seu público.

Através da identificação, ficamos presos no canyon, cortamos através de nossa própria carne. Um elemento que o filme pode sugerir mas nunca evocar, entretanto, é a brutalidade da dor envolvida. Não consigo sequer imaginar a sensação. Talvez tenha sido isso que tenha “facilitado” as coisas para Ralston, já que de uma maneira ou de outra, sua decisão limitou a duração de seu sofrimento.

Aron Ralston deve ser um tremendo cara. O filme deliberadamente não o transforma em herói, mas sim em um atleta competente traído por uma péssima decisão momentânea. Ele corta seu braço fora porque precisa, e também teve sorte na empreitada. É bem fácil imaginar a notícia de seu corpo sendo encontrado um tempo depois, com parte do braço faltando. Ele fez o que tinha de fazer, o que não o torna um herói, mas sim um homem corajoso em admitir o erro que cometeu e inteligente o suficiente para sair dele de maneira triunfal. Que você também possa encontrar as saídas para seus erros, e que não precise arrancar nenhuma parte do corpo para isso.

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Você pode gostar……

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO. Bate-papo animado com uma arquiteta experiente em acessibilidade e ativa no movimento das pessoas com deficiência.

ler mais
Live com FERNANDA ZAGO

Live com FERNANDA ZAGO

Fernanda Zago ficou tetraplégia aos 16 anos, após cair de uma escada na loja em que trabalhava, quando tinha 16 anos....

ler mais

Seus comentários são bem-vindos!

0 comentários

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
" });