Deficiência visual pelo Glaucoma. Uma doença que pode levar a baixa visão e a cegueira.

Man climbs CN Tower steps in wheelchair

Escrito por Ricardo Shimosakai

26 de abril de 2021

Este texto foi elaborado por Ricardo Shimosakai (@ricardoshimosakai) e Mylena Rodrigues (@mynspira) para o Blog de Ricardo Shimosakai. Ambos são especialistas em Acessibilidade e Inclusão e membros fundadores da ABRATURA (Associação Brasileira de Turismo Acessível)

Abril é considerado o mês de prevenção e combate ás diversas causas de cegueira, por isso é conhecido como “Abril Marrom”. Pensando nisso resolvi falar sobre uma doença silenciosa e que pode levar a cegueira: o glaucoma.

Quando a pessoa perde a visão por causa do glaucoma, essa cegueira não é reversível. E o que é o glaucoma?

É uma doença ocular que tem como característica o aumento da pressão intraocular, essa pressão é diferente da pressão arterial e não existe ligação entre elas.

Existem tipos de glaucoma e o mais comum é o de ângulo aberto que não causa dor ou sintomas quando a pressão ocular aumenta. E temos o glaucoma de ângulo fechado, que é menos comum, e vem acompanhado com dores nos olhos e uma vermelhidão.

Posso citar aqui alguns sintomas que aparecem em quem desenvolve o glaucoma de ângulo fechado, que são:

  • Diminuição do campo de visão, um afunilamento;
  • Dores no interior do olho;
  • Aumento da pupila ou do tamanho dos olhos;
  • Visão turva e embaçada;
  • Vermelhidão do olho;
  • Dificuldade para enxergar no escuro;
  • Visão de arcos em volta das luzes;
  • Lacrimejamento e sensibilidade à luz;
  • Dor de cabeça, náuseas e vômitos.
Foto do olho direito de Mylena Rodrigues. Ele é azul um pouco esbranqueçado e está com uma vermelhidão.
Foto de Mylena Rodrigues tendo a pressão do seu olho aferida em um aparelho que emite uma luz azul. Na sua frente a médica de jaleco branco. Ao fundo parede bege e uma luz dourada.
Com relação ao glaucoma de ângulo aberto, pode ser que o único sintoma que a pessoa perceba, é a diminuição da visão lateral.

O glaucoma, mesmo que não tão frequente, pode se desenvolver em bebês, sendo assim considerado: glaucoma congênito. Ou seja, aquele que a criança já nasce.

Os sintomas de glaucoma congênito são:

  • Olhos esbranquiçados;
  • Sensibilidade à luz;
  • Aumento dos olhos;

Quanto ao tratamento, é importante que as pessoas observem seus históricos familiares, pois em alguns casos, a pré-disposição de filhos e netos desenvolverem a doença é alta.

Por ser uma doença crônica e que não tem cura, é muito importante seguir as recomendações médicas e o tratamento sugerido, que pode ser cirurgia ou o uso de colírios contínuos e diariamente. Tudo isso vai depender de como vai ser o desenvolvimento da doença, sendo de extrema importância que se tenha o diagnóstico o quanto antes. O glaucoma é uma das doenças oculares que mais causam cegueira.

Em suma, coloco minha experiência pessoal: tenho glaucoma congênito e também nasci com catarata congênita a qual me submeti à cirurgia aos 2 meses de vida. Mesmo meu glaucoma sendo congênito, demorou a ser diagnosticado, pois só apresentei dores aos 13 anos de idade. Desde então faço uso de colírios diariamente, de 12 em 12 horas.

Foto de Mylena Rodtigues olhando para cima e pingando um colirio que está em sua mão. Ela tem a pele branca, cabelos longos, lisos e castanhos, usa uma blusa cor de rosa. Ao fundo janela branca e painel de madeira bege.

É necessário que eu faça um acompanhamento médico a cada 4 meses. Meu glaucoma é de ângulo fechado e por isso sinto dores nos olhos. A minha visão do olho direito perdi total e a do olho esquerdo, em porcentagem, aproximadamente, tenho menos de 10% com correção (óculos) e é uma visão central (afunilada). Além disso, a aparência do meu olho direito é esbranquiçada. Em ambos os olhos tenho vermelhidão frequente.

Consequentemente o glaucoma me trouxe a baixa visão desde o meu nascimento, precisando assim de adaptações e de uma atenção maior dos meus pais com relação ao meu desenvolvimento, seja no inicio da minha infância ao começar a andar, até o acompanhamento na escola, durante meu aprendizado.

Ter baixa visão ou cegueira é ter uma deficiência visual que precisa de cuidados, porém não é um impedimento para que se tornem crianças e adultos independentes e com autonomia. No processo de descoberta da doença meus pais tiveram orientações medicas, recebendo informações para que me estimulassem a começar a dar meus primeiros passos sem medos, pois isso faria com que eu aprendesse a ter noção do espaço que eu estava mesmo com a pouca visão que eu tinha. Meus primeiros passos aconteceram entre 9 e 10 meses de vida.

Esse processo teve continuidade durante toda a minha infância, e se intensificou com a minha ida a escola, já que precisei de apoio e adaptações dos professores para continuar o meu desenvolvimento e assim conseguisse acompanhar as turmas e ter um aprendizado adequado.

Foto de Mylena Rodrigues usando o computador. Ela está de cabelo solto, é liso, longo e castanho, seu rosto está próximo a tela do netbook que é preto e tem uma plataforma que o eleva, na parte inferior que é cor de rosa. Ao fundo janela branca e painel de madeira bege.

Por muitas vezes meus pais estiveram na escola e precisaram identificar a melhor maneira que eu aprenderia, como letras ampliadas, recursos de tecnologia assistiva como lupas, óculos especiais para perto e um ponto fundamental foram as aulas extraclasse, oferecida de forma gratuita pela escola que eu frequentava ou até mesmo professores particulares que meus pais pagaram.

Nada de privações: eu tive uma infância cheia de brincadeiras e com muitos primos e amigos da minha idade, fazendo parte de todas as brincadeiras possíveis, mesmo que eu tivesse minhas dificuldades, porém com o cuidado de todos que sabiam da minha deficiência e explicando para as crianças que estavam convivendo comigo e também para mim, para que eu conhecesse da melhor forma as minhas limitações e percebesse o que poderia ou não fazer, um exercício fundamental que me trouxe à vida adulta com muita clareza do que posso fazer e onde posso chegar.

Na vida adulta, é mais fácil que a pessoa com baixa visão ou cegueira, ache suas melhores possibilidades, fazendo testes e adaptando aquilo que for preciso, não deixando de fazer o que tem vontade, apenas sabendo que precisa modificar para conseguir.

Com toda a minha experiência, e levando em conta o glaucoma, ainda sim as dores crônicas fazem parte da minha vida diária, precisando de cuidados com meus olhos e com minha saúde, já que ainda posso preservar o pouco de visão que ainda tenho. Poderia escrever sobre outras experiências com relação à baixa visão, mas quero apenas finalizar esse texto enfatizando que é de extrema importância que não deixe de ir ao oftalmologista, e que cuide bem dos seus olhos!

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Você pode gostar……

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO. Bate-papo animado com uma arquiteta experiente em acessibilidade e ativa no movimento das pessoas com deficiência.

ler mais

Seus comentários são bem-vindos!

0 comentários

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
" });