Guia de Acessibilidade para Docentes. Estratégias voltadas para a diversidade e inclusão das pessoas com deficiência.

Man climbs CN Tower steps in wheelchair

Escrito por Ricardo Shimosakai

5 de abril de 2021

Guia de Acessibilidade para Docentes. A acessibilidade e Inclusão são valores fundamentais para o ensino. Mas a educação, é um complexo que envolve diversos fatores e pessoas. Além da acessibilidade na estrutura da escola ou universidade, da tecnologia assistiva para dar suporte à um ensino de qualidade, outra peça muito importante nesse quebra-cabeça é o docente, que é a parte onde o ensino é realmente aplicado.

Muitos professores não foram preparados para dar aulas à pessoas com deficiência. Antigamente, o aluno era recusado e obrigado a procurar escolas especiais. Mas agora isso mudou, e todas as escolas são obrigadas a receber qualquer tipo de aluno, e dessa forma os professores também devem se preparar, já que isso não é mais uma escolha.

O Guia de Acessibilidade – Orientações aos Docentes da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), passa breves orientações sobre atitudes inclusivas e orientações para as aulas. Porém o assunto é mais profundo, e merece um estudo mais detalhado. Para isso, o Curso Online Acessibilidade e Inclusão fornece fundamentos mais completos e um entendimento completo da pessoa com deficiência, além de diversos valores que complementam o entendimento da real acessibilidade e inclusão.

No ano de 2013, a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) instituiu o Núcleo de Acessibilidade (Naces), com vistas a alinhar as diretrizes institucionais a uma perspectiva inclusiva. Nesse sentido, a implantação do Naces tem como objetivo principal promover ações que visem a eliminar ou minimizar barreiras físicas, atitudinais, pedagógicas e comunicacionais, as quais restringem a participação e o desenvolvimento acadêmico, social e profissional da pessoa com deficiência.

Dentre as ações desenvolvidas pelo Naces estão as orientações pedagógicas voltadas a orientar sobre as adaptações necessárias para práticas heterogêneas que permitam a inclusão das pessoas com deficiência.

O termo INCLUSÃO passou a ser efetivamente discutido após a Declaração de Salamanca, documento que define os princípios, a política e a prática da educação para as pessoas com deficiência e afirma a consolidação imediata de ações educacionais, capazes de reconhecer a diversidade e atender quaisquer que sejam as necessidades (BRASIL, 1998).

Uma instituição inclusiva proporciona oportunidades iguais para todos(as), com estratégias diferentes para cada um(a), de modo que todos(as) possam desenvolver seu potencial. Reconhece ainda a educação como um direito humano básico e como alicerce de uma sociedade mais justa e igualitária.

Neste sentido, este guia foi elaborado com o objetivo de orientar docentes sobre estratégias voltadas para a diversidade, considerando a importância da inclusão das pessoas com deficiência/necessidades educacionais específicas.

É importante, porém, ter em mente que as adaptações e estratégias contidas neste guia não são as únicas possíveis e, quando aplicadas, precisam considerar as especificidades de cada estudante.

Objetivos do Guia de Acessibilidade – Orientações aos Docentes

GERAIS

Orientar docentes sobre organização do plano de ensino voltado para diversidade, considerando a importância da inclusão das pessoas com deficiência/necessidades educacionais especificas.

ESPECÍFICOS

  • Estimular reflexões sobre a inclusão das pessoas com algum tipo deficiência/necessidades educacionais específicas na UFRPE.
  • Indicar estratégias e adaptações metodológicas e instrumentais a serem adotadas para equiparar as condições de aprendizagem a todos os estudantes.

Fonte: UFRPE

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Você pode gostar……

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO

Live com CAMILA CARUSO. Bate-papo animado com uma arquiteta experiente em acessibilidade e ativa no movimento das pessoas com deficiência.

ler mais
Live com FERNANDA ZAGO

Live com FERNANDA ZAGO

Fernanda Zago ficou tetraplégia aos 16 anos, após cair de uma escada na loja em que trabalhava, quando tinha 16 anos....

ler mais

Seus comentários são bem-vindos!

0 comentários

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
" });