Turismo acessível nas economias emergentes. Um mercado valioso a ser explorado.

Man climbs CN Tower steps in wheelchair

Escrito por Ricardo Shimosakai

17 de maio de 2021

Os direitos e o bem-estar das pessoas com deficiência estão se tornando uma prioridade global mais urgente. A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência conclama os países a garantir que as pessoas com deficiência tenham igual acesso à informação, aos serviços públicos e ao ambiente físico. O Sustainable Development Goals’ SDG-11 (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU também busca tornar nossas cidades mais inclusivas. Uma forma de avançar em direção a esses objetivos é garantir que os deficientes tenham igual acesso aos benefícios do turismo.

Junto com o aspecto de direitos humanos dessa meta, há também um caso de negócios atraente. O tamanho do mercado de turismo acessível não pode ser ignorado. Nos EUA, a Open Doors Organization estima que adultos com deficiência gastam mais de US $ 17 bilhões por ano em viagens. Um artigo de 2015 no Journal of Tourism Futures que analisou o mercado europeu de turismo acessível mostrou que 70% das pessoas com deficiência têm capacidade financeira e física para viajar. Isso se traduz em receitas potenciais de até € 88 bilhões até 2025. Na Austrália, veteranos da indústria como Bill Forrester da empresa de viagens acessíveis Travability também enfatizam o argumento econômico para o turismo inclusivo para pessoas com deficiência – a Forrester estima que pode compreender cerca de 25% de mercado de turismo do país até 2020.

É claro que essas estimativas vieram antes do COVID-19, mas embora a pandemia tenha claramente devastado a indústria de viagens no curto prazo, o potencial para o turismo inclusivo permanecerá. Em termos de número de turistas, cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo sofrem de alguma forma de deficiência, de acordo com o Relatório Mundial sobre Deficiência da OMS. Isso se traduz em cerca de 15% da população mundial. Muitos desses indivíduos também possuem alto poder aquisitivo. Por exemplo, de acordo com seu censo de 2011, cerca de 18% dos cerca de 27 milhões de pessoas com deficiência da Índia são graduados universitários ou concluíram o ensino médio / matriculado, o que implica algum grau de renda disponível.

Além disso, a oportunidade de negócio no atendimento a esses clientes parece mais promissora quando se considera que a maioria das pessoas com deficiência é apoiada por cuidadores, ampliando assim o ecossistema de pessoas envolvidas. Isso leva a um efeito multiplicador sobre os gastos com turismo. Por exemplo, na Austrália, o tamanho médio de um grupo de viagens envolvendo pessoas com deficiência é de 2,8 a 3,4, para viagens noturnas e diurnas, respectivamente, de acordo com as Políticas e Tendências de Turismo da OECD 2016. Um efeito multiplicador semelhante deve ocorrer também em outros mercados de turismo. Por último, a indústria do turismo tem ligações com vários setores da economia em geral, incluindo transportes, artesanato, shows e eventos de artesãos, alimentos e bebidas, guias turísticos do setor informal, etc. Assim, o benefício econômico de promover o turismo acessível é aparente.

COMPREENDENDO O TURISMO ACESSÍVEL NAS ECONOMIAS EMERGENTES

O turismo acessível adiciona serviços específicos a uma experiência típica de viagem, para permitir que pessoas com deficiência física ou intelectual viajem com patrimônio. Isso pode incluir tornar os sistemas de informações e reservas acessíveis a todos; garantindo infraestrutura sem barreiras nos destinos, serviços de transporte e hotéis; e fornecer equipe de apoio treinada e atividades que permitam a participação de todos.

Embora as pessoas com deficiência ainda representem o segmento mais carente do turismo, muitos países estão levando o turismo acessível a sério. Entre as economias emergentes, Cingapura viu a maioria das iniciativas. O governo de Singapura elaborou uma lista de perguntas frequentes para ajudar os turistas a planejarem suas viagens. Em sua rede Mass Rapid Transit, ele garantiu acesso sem barreiras, banheiros e vagões de trem adaptados para cadeiras de rodas, portões de tarifas mais amplos, elevadores compatíveis com Braille e pavimentação tátil. Animais de serviço são permitidos em ônibus e trens, e em restaurantes e shoppings. Além de suas passarelas de pedestres sem barreiras, seus espaços culturais também têm assentos especiais.

A Tailândia, um ponto turístico popular, adotou medidas semelhantes. Designou rotas turísticas em certas regiões do país que são totalmente acessíveis aos turistas com deficiência. Para aumentar a conscientização, lançou um site do Turismo para Todos e um guia com Braille incluído. Agências tailandesas estão ativamente promovendo a nação como uma nação amiga da acessibilidade na Europa e no Reino Unido. Da mesma forma, a Malásia embarcou em uma abordagem baseada em parcerias para lançar caminhadas descritivas de patrimônio na Ilha de Penang, envolvendo partes interessadas como o Conselho Nacional para Cegos – Malásia, George Town World Heritage Incorporated e Friends of George Town Heritage.

Movendo-se para o outro lado do oceano Índico, a África do Sul é o destino turístico mais acessível da África. Oferece trilhas em Braille e rampa de acesso em reservas naturais, calçadões para acesso de cadeiras de rodas nas atrações e um site dedicado a atender viajantes com deficiência, além de permitir cães-guia em voos domésticos. Do outro lado do Atlântico, no Chile, o Conselho Nacional de Turismo do Chile e o Serviço Nacional de Pessoas com Deficiência formaram uma parceria para produzir um guia completo para viagens com deficiência. O país introduziu o acesso para cadeiras de rodas em estações de metrô, trens e alguns ônibus, e até lançou versões táteis de sua famosa arte de rua. As empresas também se envolveram: uma startup chilena, Wheel the World, fez uma cadeira de rodas especialmente projetada para navegar nos terrenos acidentados da Patagônia.

SOLUÇÕES DE NEGÓCIO PARA TURISMO ACESSÍVEL

Em muitos países emergentes, o mercado está respondendo de forma dinâmica à demanda por serviços turísticos acessíveis, com vários modelos ganhando força. Na Índia, onde as iniciativas governamentais ainda precisam ser ampliadas, o setor privado agiu de forma proativa. Um exemplo interessante é a Planet Abled, uma empresa de serviços de turismo inclusivo. De acordo com a empresa, é a única fornecedora de escala na Índia, atendendo clientes da Índia e do exterior – inclusive de lugares distantes como o Brasil.

Neha Arora, que deixou seu emprego na Adobe para lançar a empresa há quatro anos, diz que eles seguem um princípio de design universal, o que implica que todas as pessoas, independentemente da deficiência, podem utilizar os serviços igualmente. Em vez de segregar esses serviços, ela visa a todos, de forma que uma deficiência se torne mais uma característica humana. O elemento de tratamento equitativo desse conceito de design universal também promove uma melhor conscientização sobre as questões da deficiência entre os índios, que muitas vezes demonstram preocupação excessiva ou extrema apatia para com os deficientes.

Os serviços de suporte oferecidos pela empresa de Arora são baseados em anos de pesquisa meticulosa e descoberta de fatos sobre os desafios que os viajantes com deficiência e seus cuidadores enfrentam. Ela também construiu suas próprias experiências, pois seus pais sofrem de deficiências visuais e de mobilidade. Quando criança, isso restringiu a capacidade de sua família de tirar férias, uma vez que o setor de turismo não era tradicionalmente voltado para atender às necessidades dos deficientes – uma lacuna no setor que ela está determinada a fechar. Curiosamente, de acordo com Arora, a empresa atingiu o ponto de equilíbrio pouco tempo após o lançamento, ao contrário da maioria das startups indianas – o que é indicativo da lucratividade e da oportunidade de mercado que o turismo acessível oferece.

O turismo acessível deve abranger uma parcela decente do mercado global de turismo, ao mesmo tempo em que atende a uma necessidade não atendida dos deficientes. Mas, embora algumas empresas tenham entrado em ação, o espaço para crescimento ainda é imenso. Os países que desejam construir uma base para essas empresas devem se esforçar para tornar sua infraestrutura turística amigável para deficientes, apresentar fotos e informações sobre os serviços disponíveis em seus recursos turísticos, fornecer sites acessíveis para pessoas com deficiência visual e evitar descrições imprecisas dos serviços disponíveis. Para desbloquear outras oportunidades, eles devem considerar a extensão dessas ofertas para incluir cruzeiros, experiências de convivência com as comunidades locais e festivais e outros eventos. Essas medidas contribuiriam muito para promover os países emergentes como destinos turísticos amigáveis ​​para os deficientes, ao mesmo tempo que ajudariam as empresas a perceber a oportunidade latente que esse mercado oferece.

Fonte:NextBillion

Acessibilidade e inclusão

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Siga-nos!

[et_social_follow icon_style="flip" icon_shape="circle" icons_location="top" col_number="auto" outer_color="dark" network_names="true"]

Você pode gostar……

Live com KATIELY PAIVA

Live com KATIELY PAIVA

Live com KATIELY PAIVA, turismóloga, membra conselheira da ABBTUR/GO, diretora técnica na startup Retrilhar e gestora do Parque EcoBocaina

ler mais

Seus comentários são bem-vindos!

0 comentários

Enviar um comentário